Novo Volvo Master
Banner MBB top Site
Banner Librelatto top
Implementos

Retorno: Guerra deve entregar seu primeiro graneleiro em setembro

Modelo marcará a volta da empresa ao mercado atuando em sintonia com a Rodofort. Maquinário em Caxias do Sul encontra-se em bom estado de conservação

18/06/2021 11h06Atualizado há 1 mês
Por:
3.396
Graneleiro produzido pela Guerra antes da paralisação de suas atividades
Graneleiro produzido pela Guerra antes da paralisação de suas atividades

Após quatro anos da interrupção de suas atividades a Guerra, em Caxias do Sul (Rio Grande do Sul), deverá fabricar seu primeiro implemento rodoviário em setembro desse ano. O modelo será um semirreboque graneleiro e marcará a volta da marca ao mercado brasileiro, dessa vez operando em sintonia com a Rodofort, de Sumaré (São Paulo).

“O cronograma de reativação está caminhando dentro do previsto e em breve os produtos da Guerra estarão novamente rodando pelo Brasil afora”, afirma Alves Pereira, diretor-geral da Rodofort.

A equipe responsável pela reativação da Guerra em Caixas do Sul conta com 30 pessoas e chegará a mais de 100 quando a produção for reiniciada. A força de trabalho está sendo selecionada na própria região porque há mão de obra especializada.

O trabalho atual da equipe tem sido checar o estado do maquinário da fabricante de implementos rodoviários, há quatro anos parado, além de verificar e limpar todas as demais instalações, da linha de produção e dos escritórios até os jardins.

“Tivemos a surpresa positiva ao constatar o bom estado em que se encontra o maquinário da Guerra”, disse Alves Pereira, que completou: “a equipe de manutenção da empresa fez um ótimo trabalho”.

A aquisição da Guerra foi feita em março em leilão por R$ 90 milhões e os investimentos para fazer a empresa voltar a operar serão de aproximadamente R$ 10 milhões. O valor inclui desde a manutenção das máquinas até a aquisição de matéria-prima e contratação e treinamento de pessoal.

A Guerra vai operar de forma complementar à Rodofort fabricando produtos da linha pesada como basculante, tanque e graneleiro. Já a unidade industrial em Sumaré fabricará os modelos sider, baú, porta-conteiner e florestal, todos também do segmento de pesados. A expectativa em 2021 é distribuir ao mercado interno 2.350 unidades, sendo 250 da Guerra e 2,1 mil da Rodofort.

“Quando a produção for reiniciada estaremos trazendo de volta ao setor de transporte uma das marcas mais emblemáticas de sua história”, afirma Alves. “Para todos nós é motivo de muito orgulho participar do trabalho de retorno ao mercado da Guerra”, finalizou o executivo.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários