banner topo
IMPLEMENTOS

Noma busca liderança do mercado de transporte rodoviário de gases

Noma, uma das maiores fabricantes de implementos rodoviários do país, acaba de consolidar uma importante parceria com a Nitrotec

15/03/2022 10h53Atualizado há 2 meses
Por: Romulo Felippe
22.866

 

Uma união que chega com 'gás total'. A Noma, uma das maiores fabricantes de implementos rodoviários do país, acaba de consolidar uma importante parceria com a Nitrotec, a mais tradicional e respeitada produtora de tanques estacionários e de veículos para transporte de produtos criogênicos (gases do ar) e CO2.

 

A partir de agora, a Noma oferece toda a linha de carretas para transporte de gases liquefeitos e estes equipamentos serão projetados e produzidos em parceria com o time de engenheiros da Nitrotec, em uma sinergia de know how, para oferecer produtos cada vez mais customizados, que atendam a projetos específicos, das mais diversas demandas de mercado.

 

Com essa união de forças, a expectativa da Noma é de encerrar 2022 com cerca de 60% de participação nesse setor. "A parceria exclusiva tem gerado ganhos tecnológicos e de desempenho que nos permitirá triplicar nosso market share no segmento de tanques para transporte de gases. Estamos entregando implementos com toda a tecnologia Titanium embarcada e com tanques desenvolvidos pela Nitrotec, uma empresa reconhecida por sua responsabilidade, qualidade e segurança. Estamos prontos para atender às mais complexas demandas deste setor", explica Josué Araújo, diretor comercial e de engenharia da Noma.

 

No portfólio da parceria há opções de semirreboques criogênicos projetados para o transporte de oxigênio, nitrogênio ou argônio, chamados de gases do ar, ou gás natural, seja no estado líquido (GNL ou BioGNL) ou no estado gasoso comprimido (GNC). Há também linhas específicas de semirreboques para transporte CO2, amônia e de gás liquefeito de petróleo (GLP, o gás de cozinha).

 

A tendência por investimentos na transformação da matriz energética brasileira por energias renováveis também deverá aparecer fortemente na demanda por transporte de biogases nos próximos anos. É uma contribuição na pauta das empresas que têm adotado práticas de ESG, de olho em uma tendência global cada vez mais latente.

 

O biogás, que nada mais é que uma mistura de gases produzida pela decomposição biológica da matéria orgânica na ausência de oxigênio, é visto como uma forma de se obter energia limpa, além de resolver um problema, por exemplo, de gestão de resíduos de bagaços de vegetais. Neste contexto, a Noma contribuirá para o mercado fornecendo semirreboques para transporte de gás natural (BioGNL ou GNC) e de CO2.

 

Outro ponto que tem animado a Noma e a Nitrotec é a liberação realizada pelo Contran (resolução 882 de 13/12/2021), que autoriza a utilização do bitrem e do 4º eixo em caminhões 6x2. "A expectativa é de que haja uma aceleração das renovações de frota também no mercado de transporte de gases do ar por conta dessa nova opção", aponta Carlos Tadeu Salla, diretor comercial da Nitrotec, que celebra a parceria com a Noma.

 

As perspectivas de incremento nas vendas também foram impulsionadas pela sinergia e compartilhamento de tecnologia entre as duas empresas. "Estamos otimistas e convictos que o alinhamento de nossas áreas de engenharia permitiu imprimirmos mais qualidade e flexibilidade na oferta de produtos. Estamos prontos para crescer", revela Carlos Eduardo Fornas, gerente de engenharia e projetos da Nitrotec.

 

As novas linhas de tanques para transportes de gases da Noma passam a contar com uma nova unidade industrial também no Paraná, próximo a matriz da empresa, dedicada, exclusivamente, a este projeto com a Nitrotec. Todas as carretas fazem parte do portfólio da Geração Titanium da Noma e já estão sendo comercializadas.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários